Vamos conversar sobre FEMINISMO?

Não sou nenhuma expert no assunto. Não sou 100% desconstruída, longe disso. Ainda reproduzo conceitos colocados na minha cabecinha por esta sociedade que tanto critico. Porém, sou mulher. Mulher em processo de desconstrução, mulher que sofre de assédio, machismo e com um sistema patriarcal.
 
Quando fui convidada a escrever o texto que hoje lêem, topei na hora. Com o tempo, fui refletindo. Essa reflexão virou medo: quem sou eu para falar sobre feminismo? E se eu errar? E se faltar alguma informação? 
 
Foi então que percebi que estava tudo bem faltar informação e cometer alguns deslizes para linhas de pensamento diferentes da minha – desde que não seja ofensivo para ninguém -. Afinal, eu sou apenas mais uma, como as que agora me lêem, em processo de desconstrução. 
 
Mas me dei conta, também, que eu estava sendo convidada para falar de feminismo para pessoas que não conhecem o movimento, que acreditam que feminismo é supremacia. Então, resolvi explicar. Resolvi que a melhor maneira que eu poderia fazer é pesquisar e trazer, da melhor maneira possível, todas as dúvidas de quem me lê. 
 
Por isso, peço que comentem questões que não compreendem ou que simplesmente tem curiosidade. E ah, não se preocupem, ninguém nasce desconstruído (poxa, quase esqueci de explicar desconstrução. “Desconstruir” é sair da linha de pensamento normativa, ou seja, vista como “normal” pela sociedade. Esse pensamento que falo muitas vezes é imposto e prejudicial a algumas minorias), nenhuma pergunta é boba. 
 
Vem cá, vamos conversar, tirar dúvidas e pesquisar. Eu prometo que esse movimento é cheio de amor pra dar!
Mande sua dúvida por aqui, ou pelas minhas redes sociais!
 

Por: 

 
Duda Klein (Twitter, snapchat: dudaholic), 20 anos.
Feminista sem vertente definida e viciada em desconstrução.

Comments

comments

Previous Post Next Post

You Might Also Like

2 Comments

  • Reply Anônimo 9 de julho de 2016 at 20:29

    Oi Duda
    Qual a diferença entre feminismo e empoderamento feminino? Pq eu acho que é a mesma coisa
    Bjo

  • Reply blog da Aria 9 de julho de 2016 at 19:42

    Duda,tenho um problema quase pessoal (porém tem haver com feminismo). Meu tio é extremamente conservador (daqueles que levantam a ibandeira do Bolsonaro e tudo). Isso não me incomodava,mas agora vem me prejudicando. O problema é que minha familiadiz que ele é praticamente "meu pai"(por meu pai ser um tanto ausente) e que é apenas cuidado. Essa situação me faz me sentir menos eu. Como fugir disso?