Contos e Crônicas Grazi

Entre encontros e desencontros

A vida é tão vasta em sua beleza, que nos permite vários tipos de encontros, com as mais diversas pessoas. Mas no meio de tanta gente, acabamos nos perdendo em alguns lugares, de algumas pessoas. Quantas vezes, no acaso de um momento, encontramos pessoas tão boas, que são capazes de mudar nossa vida? Eu diria que são poucas, mas se nos permitirmos e compreendermos que as pessoas não nos pertencem, poderiam ser muito mais. Essas pessoas vem para nos ensinar, somar no grão de areia que somos nessa imensidão que é a vida.

Mas nem sempre é assim, sabe?
Existem aquelas pessoas que aparecem de forma tão fugaz, e tudo acontece de forma tão intensa e rápida, que em poucos dias vocês se tornam um do outro, com juras de amor eterno… mas que em alguns meses, você descobre que não foi tão eterno assim ou que a palavra eterno, no dicionário daquela pessoa, não tem o mesmo significado que para sempre. Na nossa caminhada sempre teremos aqueles que estarão ao nosso lado, nos apoiando, puxando a orelha, mostrando diferentes caminhos, não importa o quê façamos. Por outro lado, sempre vamos esbarrar em quem deseja estar ao nosso lado por interesse. Que vão tomar o que temos de mais puro – a confiança e o amor – e ir embora, sem olhar para trás, sem nenhum arrependimento.

Sabe quando alguém diz que fulano era certo, mas apareceu na hora errada?
Meus amigos, é o que mais existe por aí.
Daí você me pergunta e como pode isso?
Isso acontece porque não passamos por todas as outras pessoas que eu mencionei lá em cima. Há pessoas que vem para o bem, para o mal, para tomar, somar, mas de uma coisa eu tenho certeza: todas elas valem à pena. Todas elas acrescentam algo em nossa história de vida, em nosso aprendizado. O negócio é estar sempre de portas abertas, SEMPRE, mas ter discernimento para saber quem é permitido entrar e bagunçar sua história – e bagunçar nem sempre é ruim, okay? – e quem não merece essa atenção.

Um dos encontros mais prepotentes de todos nessa vida é trombar a pessoa certa no momento errado! Sabe aquela coisa de ter ao seu lado a pessoa perfeita, completamente apaixonada por você, disposta a dar e doar a melhor companhia que possa existir no planeta? Mas mesmo assim não é suficiente! Dentro da gente falta algo, um pedaço de nós mesmos que ainda não encontramos, uma cicatriz que não curamos, um desejo que ainda temos anseio de viver sozinhos em outros mares. Como lidar com a situação de ter um amor sincero e não estar pronto para recebe-lo em sua plenitude? Ninguém pode julgar a sinceridade daqueles que partem de forma honesta, garantindo que o problema afinal é o ‘timing’ errado da sua vida. Mas sempre seremos julgados (ou até massacrados), afinal entrar na vida de alguém não é brincadeira (ao menos não deveria ser). A gente tem que aprender a avaliar melhor nosso momento, para não destruir o do próximo. Empatia o nome.

Sabe aquela pessoa que entra na vida da gente e bagunça tudo, enche a gente de coisas que a gente não é e depois vai embora sem dar a mínima para você? Então, gente assim eu apelidei carinhosamente ao longo da vida de “cuzona do caralho”. Que nada mais é que aquela gente que nada de braçadas largas na piscina do egoísmo. Quem só enxerga a si mesmo no mundo e nos outros. Aquela pessoa que numa conversa sobre você a transforma numa conversa sobre ela, sabe? Você certamente ja conheceu alguém assim, tá cheio por ai, é estatística! A gente tem que ter uma puta coragem de se entregar nessa vida, entender as pessoas e seus objetivos sem conhecê-las a fundo de fato. Não é fácil! E não podemos julgar muitas concessões que fazemos pelo outro em nome da felicidade de uma relação, o amor é foda! (Agora, se deixar abusar e humilhar pelo outro é outra coisa, relacionamentos abusivos shall not pass!) Então vamos ter cuidado, sabe? Não vamos precipitar nossos sonhos espelhando-os em outrem. Vamos amar quem somos, vamos moldar nosso caráter, e quem gostar dessa forma, que fique! Se não foda-se mesmo, a vida tá cheia de gente bacana por ai procurando a gente também.

Às vezes a gente estaciona nosso coração numa relação sem saber o que nos aguarda, e sem mais nem menos o mundo desaba! É difícil muitas vezes nos salvar de uma tempestade com a bagagem extra de outra pessoa junto, mas há quem defenda que de fato o amor tenha sua essência na entrega, em se desdobrar pelo outro especialmente nos momentos difíceis. Parece simples na realidade, mas o que mais a gente vê por ai são pessoas que vão embora quando a coisa fica feia, são pessoas que se apaixonam por uma idéia, não por um ser humano! Valorizar quem te fortalece é fundamental, a vida é dura, a gente precisa de amigos, precisa de pessoas que se importem de fato, que nos façam crescer nos nossos momentos de maior medo, pessoas que depois da tempestade de raios e granizos ainda estejam aqui do nosso lado, pro que der e vier.


Texto escrito em parceria com Kauê de Paula do blog Segredos de Liquidificador e colunista nos blogs Isabela Freitas e O que Sinto em Palavras e agora, do Vigor Frágil <3

Comments

comments

You Might Also Like

No Comments

Comente