Desenvolvimento Pessoal Grazi

CARTAS NÃO ENTREGUES: sobre erros, retaliação, perdão e seguir o baile

Todos nós somos seres humanos, sabia?
Você chegou até este texto, porque o título te interessou e você teve o discernimento para lê-lo, seja até o final ou não.
Carlos Drummond de Andrade, certa feita, deixou vagar por aí que “Ninguém é igual a ninguém. Todo o ser humano é um estranho ímpar.”
Então podemos inferir, que dentro de cada um de nós, apesar de sermos mamíferos, seres pensantes e todas as coisas que a biologia indica que nos faz igual, cada um de nós é único.

Somos únicos em pensamentos, modos de agir, viver e lutar.
Cada um de nós tem um leão por dia para matar. E nessa matança, damos de cara com outras pessoas que também estão ali, vivendo e exterminando seus demônios. Com algumas dessas pessoas que cruzamos, sentimos empatia e, por alguma razão que eu, Grazielle, não consigo explicar, queremos segurar na mão de alguns e ajudá-los nesse exorcismo sempre tão doloroso. De início, alguns aceitam e nos amam por isso, mas no fim… aaaah, no fim a coisa pode ficar feia, porque apesar de quem estar de fora enxergar claramente o que acontece e o que e quem deve ser levado em consideração na saga de uma vida melhor, há pessoas que não estão prontas para enxergar nossa ajuda e esquecem de tudo, no seu maior instinto humano, vindo por atacar.

Reação óbvia?
Atacar de volta.
Mas com o tempo, perde a graça de lutar por alguém que não quer ser objeto de ajuda e compaixão. Há um tempo em que tudo que um dia foi considerado e lutado e amado, simplesmente perde o amor, perde a compaixão, se transforma em dor, em agressão, mesmo que o outro já tenha parado de revidar há tempos, e decidido seguir a sua vida, sem desejar o mal de ninguém. Apenas seguindo, caminhando e fazendo seu melhor.

Uma das frases mais comuns acerca do ser humano é “o ser humano é falho e comete inúmeros erros”. E eu admito aqui que já excedi a minha quota parte com isso. Já errei tanto nessa vida afora, mas todas as vezes que identifiquei meus erros, tratei de tentar, pelo menos, redimi-los. Tentar, porque nem ninguém é obrigado a aceitar um pedido de desculpas. Mas, pessoalmente, acredito que quando essa trégua é alcançada, devemos deixar tudo para trás e recomeçar. Sem mágoas, sem desculpas bobas, sem dar ouvido ao passado que causou toda uma confusão. Eu fiz isso. Com muito cuidado, porque há áreas da vida que precisam ser pisadas calmamente, para que possamos não escorregar e cometer os mesmos erros.

Mas então, surgem pessoas que não aceitam que você peça desculpas. Você, um ser humano cheio de erros, e mesmo que se desculpe através de áudios chorando – essas pessoas congelam não só o próprio coração, mas o de quem já estava seguindo em frente. Não, ninguém tem culpa de ser fraco e falho, ninguém é obrigado a perdoar, como eu disse mais acima. Só que, imagine você, depois de tudo isso, tentando seguir em frente, deixando, novamente, tudo para trás e tentando recomeçar, que essas pessoas te façam algo pior. Te deixam como párea, entregue ao limbo, exposta por algo que foi passado, mexendo ainda mais nas suas feridas que não cicatrizam, no seu pulmão que faltou o ar, no seu coração que foi estraçalhado todas as vezes e, talvez o pior de tudo, desejando seu pior, a sua queda, amaldiçoando, só porque eles não conseguem assumir seus erros e seguir adiante.

Sim, assumir seus erros, porque você errou também!
Eu errei, mas você fez pior.
Fez com intenção de machucar, fez e propósito, fez pra humilhar, quando tudo o que eu fiz foi te oferecer ajuda – em um texto chamado Me deixa te ajudar?.  E à você, estender a mão para que pudéssemos continuar, quando ninguém mais o fez, até que precisassem de você em um joguinho de tabuleiro muito bem manipulado. E quer saber? Você caiu direitinho! Só tente ficar em pé nesse tabuleiro o máximo de tempo que conseguir. Quer outro conselho? Não acredite em eu te amo jogado ao vento e em qualquer frase. Não são reais e podem sim serem jogados contra você. Se aconteceu comigo e outras pessoas que se era declarado amor eterno, por que alguém seria poupado? Ademais, por que alguém seria poupado se quem diz amar na frente, diz te achar irritante pelas costas? Não faz sentido, né?

Bom, não faz para mim.

Por aqui, eu encerro pedindo, novamente, desculpas a quem eu magoei de forma injusta e a quem eu magoei de forma a não entender meu amor e carinho para ajudar. Peço desculpas também pelo erro honesto que cometi, sem intenção alguma de ferir ninguém, apenas querendo exaltar um talento tão óbvio e sensitivo. Peço desculpas a quem foi afetado por NOSSOS erros e  que fora obrigado a escolher um lado – e deixo muito claro, que não foi por minha causa. E sinto muito por aqueles que usam de doenças e mágoas ditas em tom de confidência, para machucar os outros, como um tiro à queima-roupa pelas costas, disfarçado de carinho.

Enfim, com tudo isso dito, eu escolho seguir o baile e não me importar mais.
E sabe por quê?
Porque eu já perdoei, mesmo que não mereçam perdão.
E é por isso que hoje sigo em paz, fazendo o meu trabalho e crescendo em todos os aspectos possíveis, amarrando laços mais firmes e transformando-os em nós impossíveis de se desfazer.
Depois de tudo isso, eu aprendi a valorizar quem realmente merece.

No fim das contas, todo esse rolê valeu a pena e eu aprendi muito.
Muito obrigada a todos os envolvidos,
Sigamos o baile,

Att,

Grazielle

2017

Comments

comments

You Might Also Like

No Comments

Comente