Navegando na Categoria

Moda

Autoestima: complexo de ser magra

Sempre tive complexo por ser magra.

Me lembro de uma época em que eu pesava 28 kg e eu tinha 11 anos de idade. O peso médio para meninas dessa idade é de 35 kg (sim, eu pesquisei). Sempre me alimentei bem (hoje em dia não exatamente), principalmente nessa fase criança-adolescente. Comia de tudo, desde verduras, carnes, carboidratos (vários em uma refeição só, inclusive), proteína, leite e vitamina de frutas. De acordo com que fui crescendo, vi todas as meninas da minha sala e da minha escola (que era gigante, beijos EMIMA) encorparem, ficarem bem gostosas, bem no estilo que eu queria ser, mas eu parecia ter o mesmo corpo de uma das meninas de 09 anos.

Para piorar a minha tristeza, meu irmão me dava apelidos maldosos, que sabia que me afetaria, o que só fazia com que eu odiasse ainda mais o meu corpo. Os anos foram passando e eu não posso dizer para você que mudei muito. Algumas pessoas me falam, como uma espécie de elogio, que eu deveria ter sido modelo (não, eu não tenho altura, só magreza mesmo). Outras dizem que aparento ser muito mais nova do que sou (aos 20 anos, uma senhora disse que eu parecia ter 15; aos 22, 17). Leia Mais

Para ver, comer e tirar fotos bonitas para o Instagram

“Então é Natal, pro enfermo e pro são, pro rico e pro pobre, num só coração. Então bom Natal, pro branco e pro negro, amarelo e vermelho, pra paz afinal.”

natal

Sabe quando começa a tocar uma música e você não consegue ficar parada, e deixa se envolver pela batita entre tons graves. Seus pés não te obedecem, ensaiam passos que nunca fez antes, as mãos são jogadas para cima. Em poucos minutos você está cantando a música e dançando parecendo aqueles bonecos de posto? O natal causa o mesmo efeito sobre mim, não que eu tenha vontade de dançar, mas é uma vontade incontrolável de ser feliz, escolher a melhor roupa do guarda roupa para ficar na sala, escutar piadinhas sobre o pavê, e deixar o cd da Simone em um replay eterno. Leia Mais

Fins e recomeços

“E os dias e as festas que eu vou lembrar… São fases da vida que vão passar.”

formatura

 

A tão sonhada formatura chegou.  Aquele momento em que você passou anos desejando, jogar os livros pela janela, um misto de medo por encerrar um ciclo e iniciar um novo capítulo das nossas vidas. Para alguns o ensino médio ou a faculdade vai deixar uma saudade gostosa, para outros é o fim de uma sequencia de bullying e apelidos nada amistosos. Leia Mais

Cropped só pra barriga negativa?

“Eu te entendo bem! E te quero bem. Tem quem fuja de si, sem perceber.”

cropped

Finalmente dias bonitos e ensolarados na minha cidade, não sei o que transcorre comigo em dias ensolarados, há uma necessidade de sair e fazer o dia valer a pena. Colocar a cara no sol e absorver vitamina D, esse clima deixa meu estado de espírito mais leve. Nesses últimos dias tive uma alimentação regrada, bebi os tais dois litros de água e resolvi caminhar. Caminhar pelo fato do sol ser convidativo e para desfilar uma barriga negativa em um cropped por aí. Eis que percebo o quão patético essa minha convicção soava.

Eu não preciso ostentar uma barriga negativa, digna da Pugliesi para usar um cropped. Eu só preciso ter um cropped e vontade de usar. Muito mais que um corpo das blogueiras fitness, o que eu desejo para mim ou vocês que estão lendo esses meus devaneios, é aceitar seu corpo. Aceitar, amar, respeitar e agradecer. Percebi o quão rude fui com meu corpo ao longo dos anos. Ter uma alimentação regrada, praticar exercícios físicos é uma questão de ser saudável, não uma necessidade de ter um determinado corpo, para usar uma determinada peça.

Eu já tive umas 3 dezenas de quilos a mais, entretanto sempre fui adepta dos croppeds, com saias longas ou calças de cintura alta. Hoje me vi rejeitando meu corpo mesmo sem os tais quilos a mais, pelo fato de ele não ser igual a alguém que eu admiro. As pessoas possuem  histórias de vida e biotipos diferentes, nada mais que esperado possuirmos corpos díspares. Rejeitem a ideia de corpo perfeito e padronizado, mas não rejeitem o cropped, pelo menos não antes de provar alguns.

Uma peça versátil, tanto para corpos, gêneros e estilos, quanto para ambientes. Abusando do significado da palavra “cropped”, originária do inglês; corte seus paradigmas, ou medos, e ousem.

Desde Babalú em 4×4, acho essas “brusinhas” mostrando pequenos pedaços de pele algo tão sexy e delicado ao mesmo tempo. Ele aparece por aí desde 2013 e para esta estação aderiu às tendências. Tecidos leves, ombros à mostra, tons pastel, brincando entre estilos. Não posso deixar de citar as t-shirt cropped,  podendo ser um peça ao melhor estilo “faça você mesmo”, tornando algo velho em novo novamente, perdoem-me a redundância, mas acredito que moda é isso também, reaproveitar peças e incorporar tendências ao nosso estilo.

Homens, mulheres, barrigas negativas, barrigas salientes; escolham seu cropped e coloquem essa barriga pra jogo e a cara no sol.

page