Browsing Category

Relacionamento

Relacionamento

O seu egoísmo me fez partir

Você adiou o inevitável para mais tarde. Eu te amo demais e por saber disso, jogou uma bomba no meu colo e deu as costas, me fazendo tomar a decisão de jogá-la fora ou acender e ver tudo explodindo nas minhas mãos. Você ficou tão preocupado com o que sente, que esqueceu que não existe só você. Somos nós dois e os dois importam. Mas você é tão egoísta que usou cada pedacinho frágil que existe em mim a seu favor. Me prendeu porque sabia que eu teria medo. Só que esqueceu que existe o tempo certo para todas as coisas – você não era forte o suficiente para criar um nó indestrutível capaz de me manter presa para sempre. Eu tinha medo, sim, eu sei, mas você era fraco. E enxergar sua fraqueza disfarçada de amor fez o meu medo sumir. Me permitiu partir. 

Nosso sonho era crescer juntos. Amar juntos. Descobrir a vida juntos. Mas, um dia, eu percebi que a vida não precisaria ser nós para sempre, sabe? Não exatamente do mesmo jeito. Mas você não conseguiu aceitar. Não conseguiu olhar para além do seu umbigo egoísta. E foi aí que eu percebi que eu realmente te amei e você só queria ter posse de mim. Porque eu queria te libertar, te dar liberdade para ser feliz com alguém que te amasse de verdade, o amor romântico. Alguém que pudesse retribuir mais do que a amizade, que acabei descobrindo sentir por nós. E justamente por medo de perder essa amizade, você me manipulou, me manteve por perto. É impressionante, mas você conseguiu usar a minha fraqueza para ser mais fraco do que eu. Para ser um covarde.

Só que nem todo medo dura para sempre. E a sua fraqueza mandou o meu medo ir embora – e ele é parte de mim, eu fui junto. 

Meu amor por você era o bem mais precioso que eu podia oferecer, mas – mesmo sem entender – não era suficiente para você. Você precisava da posse, precisava me manter presa a você, mesmo que isso me fizesse muito mal. Mesmo que isso me fizesse querer manter distância. E (talvez) sem perceber, você transformou um nó que poderia ser um laço eterno, em uma lembrança dolorosa. Você poderia me ter para sempre por perto – mesmo que de uma forma diferente, ainda seria eu – mas preferiu ser egoísta demais para aceitar que eu precisava estar feliz também. Não depende só do que você quer. Não era só você. Seria bem mais sábio me deixar (por conta própria) ir, mas me amarrou com suas palavras e acabou permitindo que, mesmo te amando demais, não fosse o suficiente para permanecer aqui. Demorei para notar, mas aprendi. Amor é via de mão dupla, e você só pensou em si. O seu egoísmo me fez partir.

 

TEXTO EM DUPLA ESCRITO POR: Stephanie Almeida e Grazielle Vieira.

Relacionamento

Esse amor superficial não me interessa mais!

Escute essa música enquanto ler!

Você me disse: Precisamos conversar! Sentei e escutei. Você falou do quanto eu mudei. Expressou que não gosta do meu batom, do meu cabelo, do jeito como me visto, das séries que assisto, dos meus amigos e que prefere que eu saia maquiada. Desculpe, mas eu precisei ri desse seu discurso e, se me permite, preciso falar.

Tudo que disse é a mais pura verdade, contra fatos não há argumentos, não é mesmo? Mas, ao contrário do que pensa, essa conversa que tivemos, me fala mais sobre quem você é, do que sobre quem eu sou. Porque através das suas palavras, vejo o seu caráter.

Realmente você tem certeza quando diz que eu mudei, devo admitir.

É que eu preciso de algo mais profundo do que isso que chamamos de relacionamento. Quando olho para você, preciso ver que existe algo além da sua aparência, além dessas coisas que você acredita ser indispensável, mas que, na verdade, é tão vazio.

Porque eu não sou perfeita, como todas as outras pessoas, eu sou falha. Sou essa mistura de garota livre e apaixonada que você não suporta. Se você não gosta disso, não tem por que permanecer, pois, eu não quero ficar ao seu lado se o que me oferece é falso.

Graças a você, comecei a questionar o relacionamento que temos, e saiba que não estou satisfeita. Sempre fiz o que era preciso para lhe agradar, e agora vejo quanto tempo perdi tentando ser alguém que não era eu. Não. Eu não quero ser assim como você me desenha.

Quero apenas ser real e, eu deveria deixar você saber, pois, um amor superficial não me interessa mais. Essa coisa de ser superficial está me deixando louca. Não nasci para ser uma cópia de alguém. De verdade, estou tão cansada de sempre reproduzir o que vejo nas mídias que minha alma anseia por liberdade. Se quer manter a nossa relação, é melhor que você me escute.

Essa exposição, tantos detalhes, tantos olhares, tanta cobrança por uma beleza extraordinária, foi divertido no início, não nego. Mas eu quero mais do que aquilo que vemos a primeira vista. Quero que as pessoas nos olhem e se espelhem em nós pela nossa autenticidade, não por uma beleza de plástico. Preciso saber que posso contar com você e que não sou apenas um enfeite ao seu lado. Mais do que estar ao seu lado, quero estar em sua mente e seu coração.

Não quero ostentar algo perfeito, preciso viver algo que seja real. Desculpa, sei que essa conversa era para ser sobre mim, mas acabou sendo sobre você. Ou melhor, sobre nós. É que eu quero ser satisfeita na totalidade que a vida me oferece e caso queira vir comigo, aceito lhe fazer feliz, só não me peça para permanecer como estou.

Talvez a perfeição para você seja essa vida de status em redes sociais, mas eu não me encaixo mais nesse mundo. A partir de hoje tomei coragem para realmente mudar. Porque eu curto essa minha nova versão, eu gosto de mim e não quero me perder por causa de outro alguém, mesmo que esse alguém seja você.

Entenda, não quero mudar você, pois, eu estaria fazendo o mesmo que, em anos, você fez comigo. Eu não. Não lhe obrigo a nada. Só quero que fique se quiser ficar, se almejar mudar.

E caso queira, saiba que tem espaço na casa e na nova bagunça que eu criei.

Não categorizado Superação

Eu ganhei o agora

Foto: Gabriel Ornellas

 

Sabe quando dizem que tem males que vêm para o bem? Eu não acredito. Não acredito que existam situações ruins de verdade, mas oportunidades de crescimento. Oportunidades de enxergarmos a vida por um ângulo totalmente novo e desafiador. E é no desafio que a gente sai da zona mais perigosa já inventada pelo ser humano: a zona de conforto.

 

Eu vou te contar uma coisa que aconteceu no Natal de 2016. Esse não foi um Natal tão fácil para mim e minha família. E foi nessa noite que eu me desentendi com a pessoa mais importante da minha vida. E ela é a personagem principal do texto que você está lendo hoje. Minha mãe.

 

Por uma série de fatores, ela decidiu que seria melhor eu ir morar com meu irmão, que mora na capital do RJ. Apesar da casa grande que temos na região dos lagos, ela precisava estar só. E eu precisava estar respirando novos ares. Minha mãe é daquelas mães – difíceis de se encontrar por aí – que acreditam piamente na frase “eu crio meus filhos para o mundo”. E, antes que eu me esqueça, gostaria de agradecer a ela por ser esse tipo de mãe.

 

Quando me mudei, estava no início de um namoro com um rapaz que morava perto de mim. Minha nova casa, ao contrário, era quatro horas e quatro transportes públicos mais longe. Lembro que nos primeiros momentos morando no pequeno – e delicioso – apartamento com meu irmão, eu tive sérias crises de ansiedade. Para mim, lidar com novos horizontes estava sendo demais da conta. Eu, que há dois anos e meio convivi em um mesmo ambiente, que adorava.

 

Quando olho para trás, eu consigo entender a gravidade que seria eu ter continuado vivendo confortavelmente na minha zona segura. Uma zona linda, gostosa, mas que nada tem a oferecer. Eu tinha minha mãe por perto – é verdade -, e para mim isso bastava. Mas a vida me mostrou algo novo.

 

Acostumada a viver em um lugar calmo, cheio de pássaros e de vizinhos que mal apareciam nas portas de suas casas, vim morar em uma rua cheia de comércios, pessoas, barulhos e cores diferentes. A primeira coisa que pensei foi: não vou ficar aqui por muito tempo.

 

Mas aí, descobri uma coisa interessante. Descobri que esse movimento estava me trazendo vida. Que dividir a rotina com meu irmão me tornou ainda mais próxima dele. Me fez aprender a cozinhar (e amar fazer isso). Me ajudou a descobrir minha rotina ideal e com isso consegui focar mais nos meus projetos. A distância aproximou ainda mais minha mãe e eu, e hoje estamos trabalhando juntas em uma dinâmica maravilhosa. Entendi ainda mais o valor de fazer uma compra do mês no supermercado e agradecer a Deus por poder estar fazendo isso. Ganhei novos horizontes. Praias novas para explorar. Comecei a praticar Biodanza. Estou prestes a fazer trabalho voluntário no meu bairro. Fui convidada a escrever para um site da região. Fiz um ensaio fotográfico que iluminou todo o meu ser. Perdi o namorado. Ganhei a mim mesma.

 

Quando, no Natal de 2016, estava triste, jamais imaginei que uma briga poderia ser, na verdade, um grande presente. Pelo amor e pela dor a vida nos traz oportunidades. E, não importa se algumas noites fiquei sem dormir com medo de não me adaptar à nova vida ou do meu namorado desistir de mim. Aprendi que quem não foi feito para ficar, não ficaria de qualquer forma. E tá tudo bem. Para mim e para ele. Porque a gente precisa acreditar que, enquanto durou, fomos inteiros amor. A distância nos fez perceber isso.

 

A distância me trouxe de volta para mim. Hoje, não importa mais onde moro, porque sei onde residem meus sonhos. Eles vivem dentro de mim. E a minha mãe, bem, ela é aquele tipo raro de mãe que sabe decifrar nossa alma. Ela, com toda sua sabedoria, percebeu que o mundo esperava por mim. Eu não enxergava isso, mas ela sim. Posso contar só mais uma coisa sobre ela?

 

Quando eu era criancinha, bem neném, ela me soltava por alguns segundos na piscina para eu aprender a nadar. Todo bebê sabe nadar, mas para isso ele precisa da água. Ela me deu a oportunidade e eu nadei. Ela me deu o meu mar. Naqueles dias de piscina e naquele Natal. E todos os outros dias, desde quando nasci, ela tem me provado que não há males que venham para o bem. Tudo que acontece, é luz e caminho para uma nova vida.

 

Obrigada mãe.

Contos e Crônicas Grazi Superação

Me deixa te ajudar?

Me deixa te ajudar?
Me deixa te abraçar no emaranhando de bagunça que você é?
Me deixa cavar aí dentro do seu coração e arrumar todos os seus sentimentos em potinhos?
Me deixa te amar e ensinar sobre o amor?

Amar e cuidar são sinônimos no meu dicionário, sabia?
Um não anda sem o outro,
Eles estão sempre juntos, de mãos dadas,
Lutando um pelo outro, se suportando, se sustentando.

Se você deixar, eu posso te mostrar que a vida é muito mais que sofrer e sentir dor.
Posso te contar das coisas belas, dos momentos felizes.
Na verdade, posso entregar em suas mãos, os momentos felizes,
É só você se entregar.

A vida é muito mais do que os problemas que cercam as paredes do seu quarto,
Ela é muito mais colorida do que as fotos brancas e sem vida do seu Instagram clean.
É uma bagunça muito maior do que a sua casa enorme e bem estruturada,
Tão viva quanto as florestas que você se recusa a frequentar.

Tudo é muito maior do que seu mundo de computadores e livros.
E eu quero te ajudar a enxergar isso.
Quero que você veja a beleza que existe na vida real, com pessoas reais,
Não essas que te ajudam a afundar.

Inclusive, isso não é amor, nem mesmo compreensão,
É uma corda que você tem amarrado e está esperando que seja puxada.
Mas saiba que eu não vou deixar,
Estou aqui para tirar suas amarras.

Vou soltar os seus pulsos da prisão que você os condicionou,
Passar remédio nas suas cicatrizes,
Tanto da alma, quanto as que você se deu.
Mas você precisa deixar.

Deixar se amar,
Se cuidar.
Deixar eu me aproximar
E te amar.

Pensamentos

Pai, oceano de amor

Pai
É super-herói sem capa,
É defensor sem ser advogado,
É segurança sem ser polícia.

Pai
É pulso firme,
É pulso vivo,
É pulso que pulsa amor.

Pai
Pode ser de sangue,
Pode ser de consideração,
Mas é sempre coração.

Pai
É quem, às vezes, diz não
Para as nossas vontades e pedidos,
Mas que faz tudo por proteção.

Pai
Também erra,
Também chora
E precisa do seu filho mais que tudo.

Pai
É metade do nosso coração,
Metade da nossa história,
Metade do nosso ser.

Pai
É conforto,
É morada,
É melhor amigo.

Pai
É a versão masculina da mamãe,
É tão importante quanto ela,
É um oceano de amor.