Navegando na Categoria

Relacionamento

A VIDA É TREM BALA PARCEIRO E A GENTE É SÓ PASSAGEIRO PRESTES A PARTIR

Quanto tempo passamos reclamando do que não temos e não agradecemos pelo que temos? Talvez se somássemos, dariam anos. Murmuramos por coisas pequenas. Uma espinha no rosto em dia de festa é motivo de um mal humor dos grandes. Uma chuva no meio do caminho, uma entrevista de emprego que não deu certo, o arroz que queimou, a nota baixa na prova. Mas se tu para pra pensar, são coisas que tem como tu tentar de novo, de novo e de novo. Uma hora da certo.

Se tem uma coisa que não volta, é o tempo. Se você sente algo, demonstre, fale. Nossa vida é curta demais pra esperar. A única certeza que temos na vida é a de que iremos partir. E ninguém sabe o momento em que isso irá acontecer. Todos os minutos da nossa vida devem ser valorizados. Abrace, diga que ama. Peça desculpas, perdoe. Chore, sorria. Faça planos, se esforce para realizá-los. Agradeça pelo acordar. Pelos cafés da manhã ao lado de quem você ama. Pelas conversas engraçadas com suas amigas. Agradeça pela sua vida, pela vida dos seus pais, dos seus amigos.

Valorize as pessoas que te amam, que se importam com você. Aqueles que não medem esforços pra te ver bem. Aproveite cada minuto ao lado delas. Nem eu, nem você sabemos o que irá acontecer daqui a cinco minutos, dois dias ou um ano.  Não espere perder pra valorizar. Não espere o amanhã, talvez ele não chegue. O melhor momento que nós temos é o agora. Muitas vezes esperamos tanto do outro, que esquecemos de fazer a nossa parte.

Ame enquanto há tempo. A vida é trem bala parceiro e a gente é só passageiro prestes a partir.

Mayara Cavalcante

 

Eu me libertei…

90 dias mal dormidos
10 filmes melosos
1cd da Marília Mendonça
3 potes de sorvete
22 barras de chocolate
4 quilos a mais
2 corretivos da Mary kay
12 cartas anônimas que nunca foram enviadas
2 mudanças de cabelo

Esse foi o meu arsenal de guerra pra tentar superar os primeiros 3 meses em que nós terminamos,
Ou melhor, os 3 meses em que você simplesmente decidiu que eu não faria mais parte da sua vida.
“Tá tudo indo rápido demais” você disse enquanto mal desgrudava os olhos da tela do celular.

Eu passei dias imaginando o que de tão importante poderia ter naquela tela tão pequena que conseguiu prender sua Atenção de maneira tão grande, eu sei que provavelmente eu tinha coisas muito mais importantes para pensar,
Como por exemplo o por quê da sua decisão repentina ou talvez no que seria “rápido demais”,
Afinal já estávamos juntos a 7 meses, ou talvez com o fato de você ter esperado chegar um dia antes do meu Aniversário pra fazer aquilo.

Mas não.
A única coisa que se passava na minha cabeça como uma pergunta incansável era:
“o que poderia ter naquela tela de 5 polegadas que fosse mais importante do que olhar nos meus olhos no momento mais difícil da minha vida?”

Eu queria muito saber, queria mesmo, era isso que eu me perguntava a cada colherada de sorvete,
A cada mordida no chocolate, a cada lágrima derramada quando o casal no filme se beijava apaixonadamente.
O que tinha naquele celular?
O que era tão mais importante do que eu?

Eu não sabia. E ainda continuo sem saber.
E acho que de fato nunca terei uma resposta, mas quer saber de uma coisa?
Eu desisti.
Eu oficialmente joguei a toalha.
Parei de me perguntar, parei de me torturar,
Por que depois dos primeiros 3 meses em que eu me mantive afundada na minha dor e no meu desejo imenso de Desaparecer, eu percebi que eu ainda estava ali, não importava o quanto eu quisesse sumir, eu não sumia.

Então, um dia eu levantei da cama, joguei a metade da barra de chocolate que estava escondida debaixo do meu travesseiro fora, tomei um banho gelado e saí.
A cada passo que eu dava na rua era como o meu primeiro passo em 3 meses,
Eu já tinha me acostumado a andar olhando para os próprios pés pra evitar os olhares de pena que eu tinha pavor de Encontrar, mas naquele dia resolvi encarar e imagina só minha surpresa quando eu não encontrei nenhum.
A maioria das pessoas passavam por mim apressadas demais,
Elas corriam ao atravessar a rua, corriam pra pegar o ônibus, corriam pra alcançar alguém,
Elas nem ao menos me percebiam.

Eu andei mais um pouco, até aquela sorveteria que nós sempre íamos juntos
E que por isso eu tinha evitado até passar perto e quando eu cheguei lá ela ainda estava aberta,
Ainda tinham casais rindo enquanto dividiam uma taça de sorvete e crianças se lambuzando com picolé de uva Enquanto os pais batiam fotos, tudo igual, nada parou.

Eu pedi o sorvete do mesmo sabor de sempre e pela primeira vez em 3 meses ele realmente tinha gosto de sorvete, Não estava salgado por causa das lágrimas, estava doce,
Tão doce quanto um sorvete de morango deve estar em pleno verão.

A moça que me atendeu sorriu, aquele mesmo sorriso simpático e animado que eu me lembrava,
Isso me obrigou a sorrir de volta, até que na metade do sorriso já não era mais uma obrigação,
Era um agradecimento.

Um agradecimento por ela me ter feito lembrar que eu ainda podia sorrir.
Eu escolhi a mesa de canto.
Aquela que nós sempre sentávamos perto do ar condicionado já estava ocupada por outro casal.
E enquanto eu estava lá sentada, pela primeira vez em 3 meses eu realmente ri,
A risada saiu naturalmente enquanto eu olhava para o menino que explicava pacientemente para o pai que a culpa da Blusa dele ter sujado não era dele e sim do picolé que era roxo e derretia rápido.

O pai me olhou e não achou ruim eu ter rido,
Ele apenas riu de volta pra mim e disse “Crianças” ele tentou fazer uma careta,
Mas o sorriso não abandonou seu rosto e nem o meu,
Por que eu estava finalmente descobrindo algo importante naquele momento.

Eu percebi que a vida não parou,
Ela nunca para,
Enquanto eu estava jogada na cama me sentindo a pessoa mais sofredora do mundo,
A vida seguiu.

Eu precisei daqueles 3 meses, de cada dia deles,
Precisei chorar, perder o sono, engordar, me sentir rejeitada,
Mas ali, sentada naquela cadeira de canto foi quando eu vi que a vida não tinha acabado por que você me deixou,
Na verdade, ela estava só começando.

E no final de tudo mesmo com todo meu arsenal de guerra,
A única coisa que me te fez superar foi perceber que eu estava viva
E continuaria viva mesmo sem você do meu lado.

Cansei de esperar

Você não está falando sério, não é?
Eu fiz tudo para a gente dá certo, tentei, esperei, fui atrás, mas chega. Há um momento que a gente cansa. Cansa da falta de reciprocidade, da falta de amor, de carinho, de atenção.
Foi isso que aconteceu. Eu simplesmente cansei de muito dá e nada receber. Sabe o quanto isso é cruel? Você dá tudo de si por uma pessoa que nem atravessaria uma rua por você?

Eu não consigo amar se não for por inteiro. Já ouvi dizer que isso é um defeito, mas sinceramente, eu nunca vou ver o amor como defeito. Amar e ser amado é um privilégio. É uma honra. Sabe o quanto é bom saber que existe alguém que zela pela gente? Que alguém em algum lugar desse mundo gigante torce pela nossa vitória?
Amar é uma arte que poucos sabem. Não sei amar pela metade. Meu amor é daquele que não consegue dormir tranquilo se não receber uma mensagem dizendo que chegou bem, é daquele que se preocupa, é daquele que elogia mesmo, e também é daquele que no momento certo repreende.

Amor é o sentimento capaz de curar, e de restaurar. Ao contrário do que você fez. Você machucou e não se importou com a ferida que andava fazendo. Uma hora a gente cansa e eu cansei de esperar por você. É hora de pôr o amor próprio em primeiro lugar e deixar que as feridas se curem. É hora de amar novamente e não deixar com que as feridas que um dia fizeram, apague o amor que somos capazes de dá.

Lembranças do que vivi

Reprodução Pinterest

Hoje fui ler coisas antigas e lembrei muitas situações. Com as lembranças vêm também os sentimentos daquela época. Acontece como você? Comigo acontece sempre…. Sabemos que nem tudo foram flores, né?

Minhas lembranças vêm carregadas de cargas de sentimentos, medos, angústias, sonhos, alegrias e expectativas da época. Músicas, cheiros, gostos, papéis, fotos, enfim, tudo é um amontoado de coisas que um dia aconteceram de forma arrebatadora e intensa. As vezes penso: como passei por isso ou ora penso…nossa como era boba! Mas são fases que passamos e que necessitamos passar e somos o que somos hoje porque passamos por isso.

Sou a favor dos antigos papéis de cartas e das cartas que escrevíamos para as coleguinhas na escola. Ainda tenho alguns e acho importante manter. A informatização é algo incrível, porém nos tira essas coisas simples da vida. Desculpe-me os antenados nas evoluções tecnológicas, mas não há nada melhor do que ler uma carta de alguém vinda pelo correio, contando novidades. Isso faz tempo que não tenho…era bom!

Com as lembranças percebo o quanto evolui como pessoa. Coisas que eram mais difíceis de aceitar e de enfrentar hoje enfrento de outra forma. O tempo traz isso: a leveza, a maturidade e a doçura de saber que tudo vai passar. Até mesmo os momentos bons. E isso é uma pena. Daí percebo que tenho que viver o agora de forma única porque ele não voltará mais daquele mesmo jeito. Aproveitar pessoas, coisas, lugares, bichos, momentos, enfim, tudo que tenho direito. Porém, com a prudência e honestidade necessária.

Bem, desejo primeiro que seu estado de espírito seja calmo e que possa voltar a contemplar as coisas simples. Para que queira estar como nas cidades do interior. Onde o tempo passa devagar e temos tempo para desfrutar da beleza da vida. Sem a correria da cidade grande. Sem a agonia de checar se recebi uma mensagem ou verificar o que estão falando no Face ou postando no Insta. Desejo café na varanda, vento no rosto e brincadeira de criança. Mesmo que não tenha mais criança na brincadeira, mas que a alma assim seja.

Felicidade é algo amplo demais para explicar, mas colocando um pouco do que ela é penso que é quando estamos em algo que não queremos que termine. Que seu dia feliz não termine!  😉

Amadurecer não é endurecer

Ela foi obrigada a crescer e, nesse processo, precisou se tornar mais forte, endurecendo seu coração e alma no meio do caminho. Não me entenda mal, ela não deixou de sentir ou amar, só precisou se resguardar, enquanto a vida a obrigava a amadurecer.

Ela percebeu que cresceu quando se viu obrigada a parar de chorar, a seguir em frente, mesmo com feridas não cicatrizadas, que ainda batiam forte em seu peito. Apesar da vontade de nunca mais olhar para trás, ela percebeu que para que fosse possível recomeçar, ela precisaria enfrentar o passado e remover o que passou, mesmo que seu coração ainda sangrasse, às vezes.

Durante esse processo, ela se livrou de muitas coisas: dos falsos amigos, dos amores que só faziam mal, dos sentimentos que corroíam sua paz, das decepções de quem um dia ela amou, daquela parte da família que só tirava sua paz e tentou, com o seu melhor, deixar o coração limpo, livre dos males do mundo.

Enfrentou, de cabeça erguida, todos os medos que habitavam seu coração. Se livrou de cada um deles e descobriu que a vida trazia outras opções, além de estagná-la para sempre em um destino cheio de amargura.

Seu coração, ao fim do processo, parecia um lugar mais leve para se viver, sua mente agora estava habitável. Quanto mais leve ela ficava, mais alto voava, mais forte se tornava. Todo aquele mal que ela guardara, havia se tornado um grande nada na sua vida, trazendo coisas novas e felizes ao seu ser.

Também aprendeu a dizer NÃO!
A sua vida não deveria de servir de lixeira para as mentes infelizes, para os corações carrancudos. E apesar de ter esvaziado seu coração, ele ainda poderia transbordar de bondade e que está tudo bem se ela escolher dizer sim também.

Sim para os amores verdadeiros, para os amigos que só querem o bem – ela descobriu que eles ainda existem em algum universo paralelo mágico e alcançável – para os novos e confusos sonhos.

Apesar de saber que é bem difícil confiar em alguém hoje em dia, ela descobriu que é possível. É possível limpar seu coração e perdoar os que fazem mau uso do amor e da confiança e até sentir pena deles. É possível encontrar pessoas tão puras quanto ela. Pessoas que acreditam, que amam sem medo, que estão sempre dispostas a ajudar, sem pedir nada em troca.

Ao crescer, ela aprendeu que a vida tem um propósito e que amadurecer não é se endurecer e se fechar para o mundo. Amadurecer é só mais uma das descobertas do que é lindo na vida.